Brasil ainda tem 11,4 milhões de pessoas vivendo em favelas

Aproximadamente 6% da população brasileira mora em assentamentos irregulares, como favelas, comunidades de baixa renda e invasões. Elas ocupam 3,2 milhões de domicílios, concentrados principalmente na Região Sudeste (49,8%), com destaques para os estados de São Paulo (23,2%) e do Rio de Janeiro (19,1%). Por outro lado, as regiões Sul (5,3%) e Centro-Oeste (1,8%) possuem o menor número dessas comunidades de baixa renda. Ao todo, há no País 6.329 favelas em 323 municípios.

 

A constatação faz parte do levantamento Aglomerados Subnormais – Primeiros Resultados, feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O estudo, feito com base nas informações do Censo Demográfico 2010, traz uma radiografia sobre esses assentamentos com no mínimo 51 unidades habitacionais, carentes, em sua maioria, de serviços públicos essenciais e dispostos, em geral, de forma densa e desordenada.

 

De acordo com o documento apresentado, a Região Sudeste também agrupava quase metade dos municípios onde havia registro desse tipo de comunidade: 145 ao todo. A maioria (75) estava localizada nas regiões metropolitanas e o restante em municípios do interior dos estados. O mesmo padrão, embora em menor escala, foi observado na Região Sul, onde havia 51 municípios com ocorrência de favelas, dos quais 38 em regiões metropolitanas.

 

   Brasil e Japão: Diferenças que podem salvar vidas 

 

Na Região Nordeste, os 70 municípios com comunidades de baixa renda se concentravam nas regiões metropolitanas e na Região Centro-Oeste, apenas nove municípios tinham os chamados aglomerados subnormais, sendo oito também nas regiões metropolitanas.

 

O estudo revela, por outro lado, que a Região Norte tem configuração distinta. A maior parte dos 48 municípios com essa condição estavam localizados no interior dos estados do Amazonas, do Pará e do Amapá, principalmente em áreas ribeirinhas sujeitas a inundações periódicas.

 

Curta nossa página no Facebook na Fan Box ao lado ->

Clique a aqui e nos Siga no Twitter

 

Está aí um alerta para os governantes. E um sinal amarelo para nós, como cidadãos, para que o discurso furado das campanhas eleitorais deste ano não sejam continuadas.

 

Até a próxima!

Comente com sua conta do Facebook

comments

DEIXE UMA RESPOSTA