O que há para comemorar hoje?

Bom, neste ano a abolição da escravatura completa 124 anos. Porém, mesmo depois de tanto tempo da princesa Isabel ter assinado a Lei Áurea, tem gente que ainda acha que esse tipo de prática é aceitável.

O interiorzão do Brasil é muito grande, e há lugares tão longe e escondidos, que há famílias inteiras reféns dos capatazes de fazenda. Contudo, os grandes centros não escapam desse tipo de crime. No centro de São Paulo, há bolivianos, coreanos, e até mesmo brasileiros, trabalhando madrugada adentro em troca de comida.

Pra piorar as coisas, na última quarta-feira (9) a votação da Proposta de Emenda à Constituição do Trabalho Escravo (PEC 438) foi adiada novamente. O presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT), afirmou que havia um acordo entre os líderes partidários para a apreciação da matéria, mas isso não se concretizou.

De acordo com o líder do PT, deputado Jilmar Tatto (SP), o texto será encaminhado ao plenário no dia 22 deste mês. Nessa data, o objetivo é votar a PEC 438 juntamente com o projeto de lei que irá enquadrar as características do trabalho escravo e, regulamentar o processo de expropriação das terras de quem submeter trabalhadores a essa condição.

Na opinião do parlamentar, caso a votação fosse realizada na quarta-feira havia o risco de o projeto não ser aprovado por causa da posição de alguns deputados que consideram a lei muito vaga, sobretudo os ligados à bancada ruralista. “Eu prefiro perder duas semanas do que forçar uma votação e não aprovar a proposta”, disse Tatto.

Pois é, só que os trabalhadores escravos estão há 124 anos com a esperança de que isso termine no Brasil. Vale lembrar, que a PEC 438 está para ser votada desde 2001, ou seja, há mais de 10 anos.

Só na semana que passou, esse foi o segundo adiamento, uma vez que na terça-feira (8) existia a expectativa da votação do texto, mas isso não ocorreu.

Infelizmente não há o que comemorar neste 13 de maio. Quem sabe no ano que vem?

Para saber mais sobre a PEC 438 clique aqui.

Até a próxima!

 

Comente com sua conta do Facebook

comments

DEIXE UMA RESPOSTA